Os 4 Ps de Data: O recheio é contexto e relevância

Compartilhe

Compartilhar no facebook
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin

Como garantir que meu trabalho faça sentido para mim e para a empresa?

“Me vê um pastel?”

Todo bom profissional de Tech tem arrepios ao ouvir a palavra pastel. E não foi, na maioria das vezes, por conta de uma intoxicação alimentar..!

Esta iguaria culinária virou jargão na indústria e representa pedidos de tarefas curtas, ajustes “pequenos” (na visão do cliente) e que surgem atravessando as sprints.

Esses pedidos, como um bom pastel, precisa ser frito na hora, caso contrário, não serve mais.

pastel01pastel02pastel03

O grande problema que esta prática traz é a falta de priorização e cadência lógica das tarefas. 

Como dito pelo investidor Shawn Carolan: “Startups don’t starve, they drown” (Startups não morrem de fome, elas morrem afogadas). 

O trabalho a ser feito sempre existe e sempre em abundância. Ao não sabermos priorizá-lo, acabamos afogados em demandas, sem agregar valor no negócio e com isso a empresa morre.

Pastel sabor Data

Trazendo para a realidade do time de Data Analysis no iFood, o nosso pedido clássico de pastel é “pode fazer um dash?”. No qual basicamente o cliente interno quer ter visibilidade de uma informação ou analisar um tema que lhe veio à cabeça.

E longe de mim falar que distribuir informações para o business é algo ruim, muito pelo contrário! Faz parte da missão da nossa área. 

Porém, assim como criações e alterações de features nos produtos, informações e visualizações a serem feitas são infinitas e não obrigatoriamente agregarão valor para o negócio.

Esta quantidade de pedidos curtos, sem contexto e algumas vezes “carteirados”* é uma dor latente nos times de Data de diversas empresas, desmotiva os profissionais por não saberem o que / porque estão fazendo algo e este artigo é sobre uma proposta para saná-la!

* Alguém de cargo mais alto pede algo com urgência e você simplesmente faz o que mandaram

Chega de pastel de vento!

Buscando garantir uma melhor priorização, identificamos que o que falta na nossa empresa não são ferramentas de gestão e acompanhamento de tarefas e sim uma mudança de mentalidade

Toda análise demandada tem um valor intrínseco que precisa ser revelado!

Então, a nossa proposta é transformar este tipo de diálogo:

3

em  

4

E o que raios são esses Ps??

Vamos a eles!

pastel04

  • Problema
    • Toda solicitação de demanda precisa começar aqui! Explicando qual a dor que busca ser resolvida
      • Quem ela impacta? Quando ela acontece? Qual o contexto de negócio envolvido?
    • Isto já traz o Data Analyst para a mesa pra pensar junto. Ele ganha conhecimento e um motivo pelo qual fazer algo.
  • Potencial
    • Uma vez entendido este problema, é a hora de mensurar qual o potencial de resolvê-lo. 
    • É neste momento que evitamos morrer afogados ao direcionar nossas braçadas para o lado com maior potencial de nos levar ao destino final.
      • Não é só porque um problema foi entendido que ele precisa ser resolvido agora
    • A capacidade de priorizar por impacto e não por decibéis do solicitante¹ ou por índice de afetividade mútua² é absolutamente transformadora

¹ Quem grita mais alto

² Quem é mais meu amigo

  • Produto
    • Uma vez entendido o problema e tendo clareza de que há potencial, é a hora de perguntar qual o melhor entregável?
      • Não obrigatoriamente o que foi solicitado como entregável (um dash, no caso) é o produto correto para resolver aquela dor.
      • No cenário de Data, um produto pode ser uma simples resposta (cresceu/diminuiu), uma tabela via query ou uma metodologia de metrificação nova, entre outros.
    • É imperativo ter clareza e discutir isto antes de “sair fritando”. 
      • Isso turbina a nossa eficiência e evita retrabalhos.
  • Proposta
    • Este último P, nós colocamos como a cereja do bolo do Data Analyst 
      • Se queremos que nosso trabalho seja muito mais do que apenas “fazer dashes”, está na nossa mão agregar valor e inteligência no que entregamos!
    • Por isso, o que cobramos no iFood é que todo Data Product saia com uma camada de inteligência, uma proposta de ação a ser tomada a partir deste.
    • Desta forma, nos forçamos a garantir que o produto gerado efetivamente tem valor para o negócio. 
      • Um dash no qual nenhuma ação é tomada, está fadado a ir pra gaveta

 

Puts, mais um formulário…?

Não! =D

O grande objetivo da metodologia não é ser um blocker burocrático para ser preenchido nos JIRAs da vida.  

Queremos um alinhador de comunicação para garantir que estamos falando a mesma língua (Data, Tech, Business, todos), nadando para o mesmo lado e enfrentando os problemas que fazem sentido.

Quando alguém diz: 

“Opa, vamos lá. Quais são os 4Ps?”,  

a outra parte precisa entender “Opa, vamos lá. Me dá contexto e relevância?” 

Amanhã vai ser Melhor

E ambos construírem a partir disso!

Quando a demanda deixa de ser atravessada, sem sentido e sem sabor, ela ganha recheio! E um pastel recheadaço, cremoso e bem feito dá água na boca, não mais arrepios!

Fechou! Tá pronto?

Criar uma linguagem comum e mudar uma cultura são trabalhos de longo prazo, que envolve criatividade, perseverança e presença!  

Esta metodologia, que ganhou vida em maio de 2019 (1 ano, quando este texto foi escrito), já nos rende muitos frutos, mas ainda é um caminho em construção!

Mas me enche de orgulho e aquece o coração ouvir, em um comitê de avaliação de desempenho, a frase “Fulano ainda precisa absorver os 4Ps” e todos na sala entenderem o que isso significa!

Estamos desenvolvendo profissionais capazes de dialogar junto com seus clientes, de entender sobre o negócio em que estão inseridos, agregar valor por suas entregas e (muito importante também) não morrerem afogados! rsrs

Cada dia é mais nítido como o time de Data do iFood está assumindo papel de co-protagonismo em nossa empresa e deixando para trás os dias de “fazedores de dashes”.

E espero que este artigo ajude você, sua área e sua empresa a seguirem para a mudança de mentalidade que nos leva a crescer e surfar nas melhores ondas!

#RecheieSeuPastel

 

Lucas Pedote

Lucas Pedote

Head & Heart de Data Analysis no iFood com 3,5 anos de casa. Orgulhoso do que já construímos, mas ainda mais animado pelo que está por vir! #DataToThePeople

Deixe um comentário

Categorias

Posts relacionados

Siga-nos

Baixe nosso e-book!

%d blogueiros gostam disto: