Sharing is caring!

Empresa afirma ter feito uma média de 14,1 milhões de entregas em janeiro, alta de 124 por cento ante mesma etapa de 2018

 

São Paulo – O iFood começou a testar o uso de drones, bicicletas e patinetes elétricos como parte dos esforços da maior empresa de entrega de comida por aplicativo da América Latina para ganhar eficiência logística e ampliar o alcance geográfico no Brasil.

“Fizemos testes com sucesso usando drones, incluindo para entrega de refeições num bloco de carnaval em São Paulo”, disse à Reuters o presidente do iFood, Carlos Moyses.

Nos próximos meses, a empresa começará a fazer testes com entrega por drones em prédios comerciais e residenciais, disse Moyses, explicando que o processo envolve aprovações de órgãos reguladores, como Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) e Agência Nacional de Aviação Civil (Anac).

Transportadoras, varejistas e restaurantes no mundo todo têm testado robôs, drones e carros autônomos para elevar a automação como forma de reduzir o alto custo da entrega de dispositivos, mantimentos e até mesmo xícaras de café.

Expandir e diversificar a rede de modais faz parte do plano do iFood para crescer tanto geograficamente como em toda a cadeia do negócio de refeições. Criado há cerca de sete anos, o iFood ganhou visibilidade por meio dos seus entregadores de motos e bicicletas, hoje uma rede de cerca de 120 mil profissionais, que atendem quase 500 cidades no país.

Sem revelar números, o diretor financeiro do empresa, Diego Barreto, diz que o iFood pode chegar nos próximos anos a uma parcela muito maior dos cerca de 5,5 mil municípios brasileiros, adequando-se a realidades regionais de cultura, logística e renda. Segundo ele, patinetes e bicicletas elétricos tendem a ter participação importante nesse processo.

“Esses modais devem ganhar escala ainda neste ano”, disse Barreto.

O iFood afirma ter feito uma média de 14,1 milhões de entregas em janeiro, alta de 124 por cento ante mesma etapa de 2018. A empresa também tem filiais na Colômbia e no México.

Nos últimos anos, o iFood passou a operar também na cadeia de pagamentos, em parceira com a subcredenciadora Zoop. Ambas são controladas pelo grupo brasileiro Movile, que por sua vez tem como principal investidora a sul-africana Naspers.

Por último, o iFood criou um braço para intermediar a compra de insumos pelos próprios restaurantes, o iFood Shop, um portalpor meio do qual fornecedores ofertam embalagens e alimentos, hoje com cerca de 15 mil itens. O canal, diz Barreto, reduz a assimetria de informações e ajuda restaurantes a obterem melhores preços.

“Estamos fazendo para os restaurantes o que já fazíamos para os consumidores”, diz o executivo.

É nesse esquema tripartite de logística – sistema eletrônico de pagamentos e ampliação do portal para atendimento aos restaurantes – que devem ser canalizados a maioria dos 500 milhões de dólares captados pela Movile em novembro passado com investidores incluindo a própria Naspers e a Innova Capital, do megainvestidor Jorge Paulo Lemann.

 

iFood começa testar entrega com drones, patinetes e bicicletas

Posted by:tauanebenedictb

Deixe seu comentário