Para quem é de humanas, como eu, números são dados intrigantes e, quando são acompanhados de emoções e histórias ganham um sentido muito mágico. Por isso mesmo, quando eu penso que estou prestes a completar 4 anos de carreira no grupo Movile, um filme começa a ser exibido na minha mente. Vou contar um pouco disso para vocês.

Pra começar, preciso dizer que desde os 5 anos de idade eu falo para todo mundo que quero trabalhar criando histórias, trabalhando com personagens. Para um menino do interior, com uma realidade um pouco dura demais, isso era realmente um sonho muito, muito distante. Uma utopia.

Imaginem que esse menino cresceu, teve uma experiência muito inusitada com vlogs e webseries, veio do interior para São Paulo, trabalhou com redes sociais, estudou cinema, aprofundou-se em produção de conteúdo infantil e no meio disso tudo recebeu um convite para trabalhar na Movile, que já conhecia de nome. Empresa de sucesso, com foco em internet mobile, com vários escritórios incríveis ao redor do mundo. Logo veio a pergunta: “o que um contador de histórias vai fazer numa empresa dessas?”

Foi um longo processo seletivo, não por conta da empresa, mas sim por mim mesmo, que tremia só de pensar em estar ao lado de executivos, pessoas de números, com seus dados assustadores e metas agressivas. Mas havia algo que me dizia: “João, vá para a Movile, arrisque, você precisa disso na sua vida”!

Depois de um mês, o “sim” foi dito e eu comecei a trabalhar na Movile, com vídeos. A empresa era realmente cheia de executivos, gente falando de negócios e marcando reuniões para fechar parcerias. Mas havia história, havia gente. E gente muito firme, que me acolheu de um jeito muito diferente, que só a Movile tem.

Logo na primeira semana, ocorreu uma festa. Estávamos em clima da Copa do Mundo de 2014 e havia até um álbum de figurinhas dos colaboradores. Eu, que cheguei uma semana depois da sua produção, resolvi imprimir minha figurinha personalizada e distribuir para os novos colegas. Queria fazer parte daquilo.

Logo em seguida, ajudei na produção de um vídeo institucional, participei de reuniões com outros escritórios e comecei a me sentir Moviliano de verdade. Mas sempre tive aquele medo: “será que um dia vão querer que eu seja um cara de números?”

Com o tempo, comecei a dedicar cada vez mais do meu tempo com a PlayKids, a plataforma infantil da Movile. Era um conteúdo com o qual eu me identificava, um projeto no qual eu acreditava 100%, e que me encantava. Comecei editando vídeos para ela, depois cuidando da seleção de conteúdo, até chegar na área em que estou hoje: a criação de conteúdo original. Atualmente eu crio os roteiros e faço a direção dos desenhos animados originais da PlayKids. Além disso, sou um dos escritores dos livros do PlayKids Explorer, nosso projeto de livros educacionais personalizados.

No começo deste ano, enquanto trabalhava 100% com criação, senti a resposta vindo à minha mente como a voz do Grilo Falante: “o que um contador de histórias faria na Movile? Contar histórias, claro”!” Hoje eu me dou conta de que, em 4 anos, consegui fazer aquilo que aos 5 anos eu dizia para meus pais que queria fazer.

Aqui na Movile, em qualquer empresa do grupo, há uma realidade constante: a empresa abre uma porta para que nós, da maneira como somos, moldemos o negócio e coloquemos nossa personalidade no modo de trabalhar. Isso é um choque de realidade para quem veio de um mercado onde você tem que correr para pensar exatamente como seu gestor pensa ou para entrar num molde pré-configurado. A Movile é uma empresa viva, dinâmica. Tudo acontece de forma muito rápida e que exige uma união entre os colaboradores funcionários. É mais que um trabalho, um intensivo que nenhuma escola poderia te dar. Quando você assume alguma responsabilidade, ela é realmente sua e você tem que agir com sabedoria sobre ela, tomando decisões importantes, sendo dono do negócio.

Eu encontrei no meu caminho pessoas que sonhavam alto, que queriam uma revolução em suas próprias vidas, tendo suas ideias ganhando vida e fazendo parte da realidade de milhares de pessoas. Vi essas pessoas tendo oportunidades, criando, envolvendo gente no seu sonho. Com elas eu aprendi que o sonho não é nunca meu, somente. É coletivo.

Um sonho deixa de ser apenas uma ideia quando ele envolve outras pessoas e faz com que elas se contagiem para torná-lo realidade. Isso foi algo que aprendi na Movile e que veio de encontro com a minha frase predileta de Walt Disney, minha grande referência para toda a vida:

“você pode sonhar, criar, desenhar e construir o lugar mais maravilhoso do mundo. Mas é necessário ter pessoas para transformar seu sonho em realidade”.”

Em cada desenho animado, cada curadoria temática, cada texto feito para nosso marketing, cada livro escrito, eu aplico esse aprendizado. Envolvo meu time, colho ideias, sonho junto. Esse é o segredo para fazer as coisas ganharem vida e força.

Comecei o texto dizendo que, para quem é de humanas, números são intrigantes. E mais que isso: são fascinantes. São 4 anos de Movile, milhões de crianças assistindo e lendo o que produzo e dezenas de livros escritos. Números que formam a minha história aqui dentro.

Foi um período  de aprendizado e superação pessoal, pois tive que descobrir o profissional de alto nível que havia em mim. Entendi que trabalho em uma empresa que não tem limites físicos. Há crianças na China se encantando com material que eu produzi, e isso é surreal! São milhares de crianças sendo beneficiadas com conteúdo de qualidade e muitos momentos inesquecíveis que vivi e coloquei na minha história de vida, e também na da Movile.

Nós fazemos a Movile, sonhamos juntos com a sua história e a tornamos real, com números, frases, melodias e vidas. E essa história, meus amigos, está só começando!

 

Desde 2004 invisto em produção de vídeo para web, começando com o “Programa do Jaum”, um vlog sobre cultura pop que foi um dos primeiros no Brasil. Um marco na minha vida. Nele nasceu “O Livro da Amizade”, uma webserie que resgatou um sonho antigo de infância: criar e produzir histórias.

Após alguns anos de busca, estudo e pequenas experiências, fundei com meu sócio Fernando Ferraz a PlokMoon, uma casa de ideias que trabalha na produção de animações, quadrinhos, livros e qualquer outro tipo de mídia onde nossos personagens possam habitar.

Atuo também como Editor de Conteúdo na plataforma PlayKids, uma grande referência no meio audiovisual infanto-juvenil.

Posted by:João Godoy

Desde 2004 invisto em produção de vídeo para web, começando com o "Programa do Jaum", um vlog sobre cultura pop que foi um dos primeiros no Brasil. Um marco na minha vida. Nele nasceu "O Livro da Amizade", uma webserie que resgatou um sonho antigo de infância: criar e produzir histórias. Após alguns anos de busca, estudo e pequenas experiências, fundei com meu sócio Fernando Ferraz a PlokMoon, uma casa de ideias que trabalha na produção de animações, quadrinhos, livros e qualquer outro tipo de mídia onde nossos personagens possam habitar. Atuo também como Editor de Conteúdo na plataforma PlayKids, uma grande referência no meio audiovisual infanto-juvenil.

3 replies on “Como construir uma carreira de sucesso no Grupo Movile

  1. Editor de Conteúdo na plataforma PlayKids, uma grande referência no meio audiovisual infanto-juvenil.

Deixe seu comentário